quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Admito...

Admito...


Amar sem nada em troca, mesmo sem o teu carinho que tanto necessito, e pelo qual digo para mim próprio que vou conseguir tê-lo, é assim que consigo viver, traindo a minha consciência, traindo todos os limites que me são impostos por ti, por toda a circunstancia do teu tempo, do teu espaço, e mais uma vez nego a minha vontade. A minha vontade de te ter nos meus braços, e ter mais uma vez a sensação de seres meu, o abraçar-te não é ter como finalidade, mas pelo contrario, é ter como um inicio de tudo o que por acrescento pode surgir, assim com um abraço mais forte, assim como um beijo, e outro ainda, e dizer para mim próprio “este momento é meu”. És como um todo, impossível, pensar de maneira diferente, e todo esse impossível tem o teu nome escrito, todo ele está delimitado por ti, foste tu que mesmo sem eu dar conta, me envolveste nesse mesmo trajecto que é aquilo a que chamas vida, é aquilo em tu acreditas, e conheces como vida. Eu chamo trajecto, do qual eu tento rever e corrigir, até mesmo em permanecer, sem ter qualquer tipo de expectativa, tonto sou, eu sei, é óbvio que tudo tem um inicio e tem um fim, hei-de lá chegar, e ter a certeza que quando chegar, vou me sentir melhor do que me sinto neste momento. Não me sinto mal ( mais uma vez estou a mentir a mim próprio, ou talvez não )não tenho capacidade de avaliar o que em mim se foi transformando após te ter conhecido, é certo que na altura fiquei muito feliz, não, por te ter conhecido, mas por reconhecer que ainda tinha capacidade de amar, e que embora esquecida, permanecia em mim, e permanece...


Admito...

Continuo a escrever para ti, para vocês, sem pedir nada em troca, sem necessitar de responder aos vossos bons e únicos comentários, agradeço da mesma forma, através das palavras, das minhas palavras, eu sei, que brinco muito com as palavras, eu sei que tenho uma forma muito peculiar de o fazer, mas todas elas têm muito sentido, todas são para todos e sobre todos, todas têm um fundamento, uma razão, todas são escritas do fundo do meu coração, sem esperar nada em troca, sem esperar que alguém se emocione, ou até mesmo que use essas mesmas palavras como inspiração para outros textos. Quando, comecei este mesmo projecto, ao qual eu chamo trajecto, sim eu chamo trajecto, foi simplesmente para escrever, foi simplesmente, para deixar de escrever em cadernos perdidos na memoria, ou até mesmo em blocos de apontamentos, tipo post it, que ficavam também eles perdidos na gaveta dos cds. Continuo a escrever, a amar a minha escrita, a perder uns minutos por dia a ler muito atentamente o que todos escrevem. Este trajecto não tem fim, ou mesmo que possa ter, vai continuar dentro de mim!!!




Admito...
ABRAÇO-TE
ABRAÇO-VOS SEM ESPERAR NADA EM TROCA


JustMe
"nature's embrance-Steve Walker" - http://www.gingerbreadsquaregallery.com/Paintings/Walker/Walker-Bio/walker-bio.html

13 comentários:

  1. Belo este teu trajecto em que puseste as tuas palavras, os teus sentires a caminhar e, talvez sem te aperceberes, a convidares-nos a caminhar lado a lado nesse trajecto, que me pareceu primeiro mais direccionado para alguém e depois para cada um de nós que te lê.

    Destaco "Reconhecer que ainda tinha capacidade de amar..." - todos nós devíamos reflectir um pouco sobre este belíssimo excerto do teu texto.

    Um abraço e finais de trajectos... só para se renovarem noutros trajectos.

    MV

    ResponderEliminar
  2. .../...[..Homem.&.memoH..].../...]
    parece, que um pouco de nós vagueia povoando os sonhos de não se viver uma realidade aleatória do amor.
    Depois de uma tempestade no percurso de uma ou várias das nossas vidas, os caminhos que preenchem e modelam os nossos sonhos, na realidade transforma-se pela ausênçia de quem podemos amar, ou sentir simplesmente a tua falta, a tua ausênçia preenchida por encontros fortuitos de amor ilusório que pretendem preencher vazios de solidão, que logo de seguida brotam novamente numa ãnsia de en[reencontra-te] novamente nos meus planos de vida.
    Admito, mesmo que sem ti posso viver ?
    Admito que sim...
    A saudade, essa não ignora a tua ausênçia...
    Admito, que amo a vida !

    ResponderEliminar
  3. Admito…
    O nosso percurso de vida nesta estrada , cruzou-se numa simbiose de vivênçia, de aprender que tinha-mos algo em comum.
    Admito…
    Que aprendemos a conhecer-nos, a partilhar o presente construindo um futuro, preenchido pela saudade de quando te ausentavas, mas que eu sabia que voltavas.
    Admito…
    Que a tua ausênçia, porque a vida tem que ser construida em qualquer local, sobretudo quando nos menos é favorável para sentirmos o peso da dor de não te ter, todos os dias, sobetudo à noite quando contemplo as estrelas e não tenho companhia para me ajudar a contá-las.
    Admito…
    Que tudo tendo um princípio e um fim, eu não estava preparado para a tua ida, embora pensasse que um dia fosse acontecer, eu pensava que era um sonho.
    Admito …
    Que agora fogem-me as palavras, que no refúgio da minha solidão procuro nestas teclas alguém que preencha o espaço vazio, que só tu sabes ocupar.
    Admito…
    Que quando te quero esquecer, procuro na imensidão do espaço da noite, o que tu não me podes dar, e que descarto, sabendo que estás presente na minha memória.
    Admito…
    Que tenho muitas saudades do teu olhar, dos teus beijos doces e molhados, do teu cheiro, que ainda sinto quando me deito na cama e me preparo para dormir.
    Admito…
    Que não vou te esquecer, por isso mergulho nas palavras para passar o meu tempo.
    Admito…
    Que ninguém vai conseguir dar-me o que tu me deste, porque vou ter sempre em lembrança, comparar o que não pode ser comparável.
    Admito…
    Que um dia tudo isto acabe e que encontre finalmente a minha paz.
    Admito, mas não sei se sou capaz, o futuro está incerto meu amor…
    !
    A.ds

    ResponderEliminar
  4. que este post não signifique uma despedida...ainda que os autores partam, as palavras fiquem.

    um abraço

    ResponderEliminar
  5. o amor abraça

    que esse.s a.braços também te acolha.m

    ResponderEliminar
  6. É tão bonito dar sem querer nada em troca. Pena que hoje é difícil de achar pessoas assim...

    Gotei do seu blog. Rarabéns.

    Irei te acompanhar.

    **

    ResponderEliminar
  7. Também amo sem esperar nada em troca. Ando por aí leio e muita vez nem comento.. Palavras gasto-as ou perco-as no sangue.
    O Abraço dou e aceito.

    ResponderEliminar
  8. Quem sente como tu sentes,merece ser Amado e Amar...
    Desistir nunca , amigo.
    O que nosso é , a nossa mão virá parar.

    Beijo grande

    ResponderEliminar
  9. Parabéns pelo Blogue
    -Tem um Prémio/Sêlo para voçê no meu Blogue:

    ResponderEliminar

Abraço-Te